quinta-feira, 6 de maio de 2010

Maioria socialista não sabe o que quer para o Mercado Municipal

Seis meses depois de ter tomado posse, o executivo socialista revela um enorme desnorte político e uma confrangedora falta de coordenação sobre o projecto de reabilitação urbana da zona ribeirinha da cidade.

A falta de coordenação é de tal ordem que, a dois meses (07 de Julho de 2010) de expirar o prazo legalmente previsto para a apresentação do projecto de requalificação do Mercado Municipal Eng. Silva, ainda não há projecto para as obras a executar.

A maioria socialista não sabe o quê, nem como vai requalificar o Mercado Municipal. Questionado, na reunião do executivo de (04 de Maio) pelo vereador do PSD Miguel Almeida sobre “o projecto, tipo de intervenção e obras” vão ser realizadas, o PS respondeu com um “ainda não há projecto”.

Muito pouco quando em causa estão verbas comunitárias na ordem dos 3,7 milhões de euros para financiar estas obras.

E mais. A Câmara demitiu-se da sua responsabilidade de liderar, como é seu dever, todo o processo.

Esta afirmação é baseada nas declarações de Carlos Monteiro, responsável pelo pelouro, Carlos Monteiro, que revelou que a Estruturas de Investimento do Mondego (EIM) é quem está “a coordenar” o projecto e que a SIMAB (Sociedade Instaladora de Mercados Abastecedores) - empresa a quem foi adjudicada a obra – tem “andado a fazer o levantamento” das necessidades.

Pior. Não há sequer um caderno de encargos da obra. O presidente da Câmara, João Ataíde afirmou que a autarquia “só intervém enquanto parceiro”.

Perguntamos, não caberá à Câmara assumir a liderança neste processo? Afinal quem é que tem o pelouro dos Mercados? É a EIM? É a SIMAB? Ou é a Câmara Municipal?

De quem será a responsabilidade e quem assumirá os prejuízos se o projecto não for concretizado e os 3,7 milhões de euros de financiamento foram perdidos?

A Câmara não pode demitir-se das suas responsabilidades. A autarquia deve liderar todo este processo, em vez de colocar em mãos alheias os destinos de um espaço de enorme interesse histórico e patrimonial do concelho.

Podemos confiar num executivo em que o vereador dos mercados afirma, em reunião de Câmara, e citamos, “se a minha área é Biologia não tenho que perceber de mercados”. É inaceitável e manifesta a falta de liderança e coordenação existente na actual Câmara.

A ligeireza e a inexistência de respostas satisfatórias por parte do executivo levam-nos a manifestar a nossa preocupação e perplexidade.

Este é um assunto que merece ser tratado com todo o respeito. Em causa estão o trabalho, a subsistência e o local de trabalho de mais de duas centenas de concessionários, mas também os milhares de clientes que frequentam o Mercado Municipal Eng. Silva da Figueira da Foz.

0 comentários:

Publicar um comentário